Como A Segurança De Um Condomínio Pode Trazer Grandes Retornos

A Full pretende, nesse artigo, divulgar os pontos mais importantes para o seu condomínio evitar ser a próxima atração na ação de criminosos e ver de que forma esses cuidados retornam como benefícios.

Existem quadrilhas especializadas em assaltos a condomínios, com planejamentos cada vez mais mirabolantes para burlar a segurança. Cabe aos administradores estarem atentos as falhas existentes nos sistemas e saná-las de maneira prática e objetiva para que não entre na lista dos bandidos como um objeto de desejo para a próxima atuação.

 

A ESTRUTURA FÍSICA

A segurança se dá logo com os cuidados a cerca da estrutura física do seu condomínio, isso levando em conta a proteção perimetral como muros, cercas, portões e postos de vigilância. E onde estão os riscos quando o assunto é a proteção que envolve esse local?

Acompanhar a modernidade é uma das premissas para manter-se longe dos olhos de criminosos, sempre a espreita e a procura de uma brecha para realizar ações malignas. Em condomínios antigos não existia essa preocupação com a parte física pois os riscos eram mínimos, nos dias de hoje as melhorias se fazem necessárias nesse quesito.

Os empreendimentos atuais podem suprir os problemas de segurança com projetos voltados para cuidados básicos e não apenas com a preocupação estética. Um porteiro, por exemplo, com visão ampla das entradas e dos arredores se faz extremamente necessário. Deve-se ter em mente que os custos com segurança são benefícios e investimentos e não gastos desnecessários. Um condomínio vulnerável é alvo fácil.

Estruturas que se adequam aos dias de hoje para a segurança, devem no mínimo conter:

1) Sistemas de clausura tanto para pedestres quanto para veículos automotores.

2) Evitar entrada de entregadores através de sistemas de passa-volume.

3) Guarita bem localizada possibilitando visão perimetral ampla, contemplando entrada, portões e arredores, adequada ao uso com blindagem, banheiro interno e ar-condicionado.

4) Observar altura mínima para os muros e cercas para evitar escaladas, além do uso de câmeras e sistemas eletrônicos.

TERCEIRIZAÇÃO X CUSTOS

Apenas reduzir custos através da terceirização da segurança não é o caminho para o conforto e a tranquilidade de funcionários e condôminos. O processo precisa ser bem feito, por uma empresa idônea e de qualidade assegurada. A má escolha da empresa pelos gestores que estão pensando apenas em custos eleva os riscos em todos os aspectos. Terceirizadas sem procedimentos e processos podem inserir nesse contexto pessoas desqualificadas e até mal intencionadas para postos de confiança como portaria. Sem treinamento e descontentes esses funcionários são um foco de insegurança, além de gerar alta rotatividade.

SISTEMAS DE SEGURANÇA ELETRÔNICOS

Um dos maiores problemas quando levantamos a questão de sistemas eletrônicos é a maneira de se adaptar uma equipe a tecnologia. Para esse alto investimento é preciso garantir suporte técnico, treinamento adequado, projeto coerente com a estrutura física, manutenção periódica.

Requisitos mínimos:

1) Controle de acesso: pedestres e veículos utilizando sistema de controle de acesso eletrônico específico com identificação e controle da circulação no interior do Condomínio. Cadastro dos fornecedores e prestadores de serviços com registro de foto e documento, controle sistêmico de entrada e saída.

2) Sistema de alarmes: controlado remotamente monitorando pontos específicos através de sensores, utilizar botão de pânico em posições estratégicas, acionando uma central de monitoramento remota 24 horas. É de grande importância o monitoramento da abertura da porta da guarita, pois se trata de um ponto sensível da segurança.

3) Sistema CFTV: deve prever câmeras em locais estratégicos, permitir pró atividade, garantir armazenamento de imagens local e remoto por período adequado ao condomínio. Os campos de observação devem cobrir, no mínimo, todos os acessos ao Condomínio, garagem, elevadores e principais pontos de circulação e área perimetral.

4) Segurança perimetral: na ausência de câmeras no perímetro do condomínio, muros e grades devem ser monitorados através de sensores, cercas elétricas para evitar, e caso aconteça, detectar eventuais tentativas de invasão.

RISCO DO ENTORNO

Não importa a eficiência do seu sistema de segurança. Se você não conhece a periferia, o entorno do seu condomínio, esta permitindo uma brecha no seu sistema de segurança.

Mapear áreas de risco do entorno do condomínio é extremamente útil para garantir a eficiência total do seu projeto de segurança.

Tratar pontos como comunidades carentes, praças frequentadas por usuários de drogas, traficantes e contraventores, má iluminação das vias próximas, obstáculos e radares para diminuir velocidade em cruzamentos e acessos são alguns pontos a serem considerados na hora de planejar o sistema de segurança.

Tudo que é externo ao condomínio deve ser tratado de forma diferente, atuar preventivamente com ações envolvendo atuação junto a órgãos públicos, realização de ações sociais junto a ONGs e lideranças comunitárias.

 

 PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA

De nada vale um sistema de segurança extremamente eficiente no quesito técnico se não há procedimento de segurança. O grande problema da aplicação dos procedimentos se dá por conta de questões sociais, comportamentais e a visão simplista. É preciso, acima de tudo, mudar o comportamento, isso torna o problema mais complexo.

O primeiro passo é formalizar dando validade legal com a inclusão no Regulamento Interno do Condomínio, com aprovação em assembleia, inclusive. A partir daí implantar os procedimentos de segurança.

O segundo passo é imprescindível, treinamento para a equipe de segurança e todos que fazem parte do contexto, como moradores e fornecedores.

O passo final é fazer valer todo o procedimento de segurança, educando e relembrando todos envolvidos através de informativos, cartilhas, etc. Mostrar e destacar sempre a importância de se cumprir tudo indistintamente. E elaborar punição quando houver o descumprimento e desrespeito às regras definidas. O sindico e a administradora tem papel fundamental para que tudo siga se aperfeiçoando, inclusive para a mudança de comportamento e adaptação de moradores em relação aos procedimentos de segurança. Vale destacar que a equipe de segurança deve se adequar de forma rápida e caso isso não aconteça deve ser substituida.

Treinamento e aprimoramento da segurança deve ser constante, todos devem seguir as alterações que venham a acontecer, evitando possíveis falhas que geralmente acontecem quando entram numa rotina.

 

A equipe de segurança deve ter um planejamento anual de treinamento dos funcionários, inclusive os substitutos e os que cobrem escala, todos devem estar capacitados para suas funções. Caso seja uma equipe terceirizada, se faz necessário um documento garantindo a consciência dos funcionários de toda rotina implantada e como proceder.

 

ONDE ESTA O RETORNO?

Com o procedimento implantado, a medida que o tempo passa o condômino se sente mais seguro, diminui o nível de stress, as pessoas passam a confiar no sistema de segurança e isso também valoriza o patrimônio. Longas viagens podem ser feitas sem preocupação, resumindo, é o aumento de qualidade de vida para as pessoas.

Sem comentários ainda.

Deixe um comentário